Isadora Jacoby 03 de novembro de 2020 JC

NO GE DE CASA, CONVERSAMOS SOBRE ESTRATÉGIAS PARA A DATA NESTE ANO

Natal deve ser bom para vendas pois público presenteará mais após o estresse de 2020
No GE de Casa, conversamos sobre estratégias para a data neste ano
Depois de um ano em que as vendas online ganharam mais espaço na rotina dos consumidores, o Natal, uma das principais datas do varejo, deve seguir essa tendência. No GE de Casa, recebemos João Finamor, professor de Marketing da ESPM, e Sabrina Rolim, proprietária da PresentearPoa, para debater sobre as melhores estratégias para consolidar vendas no fim do ano.
Faltando menos de dois meses para a data, João alerta que as marcas devem traçar suas metas e estratégias para o Natal com urgência. O especialista destaca, ainda, que antes do Natal, há uma outra data importante para o varejo: a Black Friday. No entanto, ele pondera que os objetivos de cada uma delas é diferente. “A Black Friday é uma ação muito de eliminar o estoque, de saldão, mas efetivamente o Natal, para o varejo, é fundamental para lucro. Enquanto a Black Friday é muito para escoamento, a gente tem no Natal uma data mais relevante”, pontua João, que acredita que, neste ano, o desejo de presentear no Natal pode ser ainda maior. “As pessoas vão querer presentear, talvez até mais, por tudo que passaram. A diferença é o novo formato de compra. As empresas que ainda não passaram totalmente pela sua transformação digital tem que ver como elas vão proporcionar essa nova experiência de compra”, ressalta.
O especialista alerta que os empreendedores devem apostar na essência do Natal na hora de traçarem suas estratégias para atrair clientes. “Natal é uma das datas mais empáticas, tem muita emoção. E nesse ano a grande questão é essa: trazer emoção, uma história, entender como vai te conectar com as pessoas. Todo mundo ficou triste. Então, posso usar isso a favor de uma forma legal, levando alegria para as pessoas ao presentear”, aconselha João.
Proprietária de uma loja especializada em presentes personalizados desde 2014, Sabrina sentiu na rotina de seu negócio as transformações apontadas por João. Ela conta que a demanda não diminuiu durante a pandemia e que o negócio ajudou as pessoas a ficarem mais próximas, mesmo a distância. “Somos o elo de ligação da pessoa que está longe, do idoso que não pode ver o filho porque está confinado em casa. Trabalhamos muito as emoções aqui. O trabalho da Presentear é pegar o teu melhor, transformar em um presente, e entregar para a pessoa”, afirma Sabrina. Segundo ela, os últimos meses foram de mudança na forma de escolher um presente. “As pessoas aprenderam a ressignifcar o presente nesse período. O espumante caro, o bombom, nada disso está valendo. O que vale agora é a intenção de lembrar da pessoa”, afirma.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *